Home Notícias CSTs aumentam em 140% número de matrículas
CSTs aumentam em 140% número de matrículas PDF Imprimir E-mail
Sex, 18 de Janeiro de 2019 12:22

As matrículas em cursos superiores de tecnologia (CST) no Brasil mais que dobraram em 10 anos, de acordo com dados publicados no Censo da Educação Superior, divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira (Inep) em dezembro. Foi o tipo de curso de graduação que registrou o maior crescimento percentual no período (140%), passando de 414.822 matrículas em 2007 para 999.289 em 2017. De 22 a 25 de janeiro, o IFSC abre inscrições para seus cursos de graduação – inclusive os CST – por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu).


Os números são positivos para os superiores de tecnologia também quando se observa o total de concluintes por tipo de curso de graduação. Houve aumento de 133,6% no total entre 2007 e 2017 (de 84.341 para 196.999) nos CST. O número de ingressantes passou de 281.426 em 2007 para 617.317 em 2017, um aumento de 119,4%. Em ambos os casos, também foram os maiores aumentos dentre os três tipos de cursos de graduação (bachareladolicenciatura são os outros).

A coordenadora de Cursos de Graduação do IFSC, Suzan Ladevig Garcia, explica que, enquanto bacharelados são mais generalistas e organizados em grandes áreas, os superiores de tecnologia são mais específicos. “O CST tem uma visão mais prática e prepara para demandas específicas do mercado. Às vezes, a demanda não é por um profissional abrangente”, comenta. Ela cita como exemplo dois cursos do IFSC: Sistemas de Energia, um superior de tecnologia é focado em uma parte da grande área da Engenharia Elétrica, um bacharelado.

Ainda circula a ideia de que os “tecnólogos” (como esses cursos são chamados por algumas pessoas, embora tecnólogo seja a palavra que designa o profissional formado, não o curso) são cursos de graduação reduzidos ou mais próximos de um técnico, mas essa é uma visão que mostra falta de informação sobre esse tipo de curso, segundo Suzan. “Nos países desenvolvidos, há muitos tecnólogos [profissionais formados em cursos superiores de tecnologia]”, destaca a coordenadora, ela mesma formada em um curso superior de tecnologia (Gestão de Recursos Humanos).

Estudantes de cursos CST participam de projetos de ensino, pesquisa e extensão e têm acesso a cursos de pós-graduação normalmente como outros alunos de graduação. O Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia do Ministério da Educação traz mais informações sobre esse tipo de curso. 

Os superiores de tecnologia no IFSC

Segundo dados da Plataforma Nilo Peçanha, que reúne informações sobre as instituições de ensino da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, quase metade dos cursos de graduação que o IFSC possui (28 de 61) são do tipo superior de tecnologia. Eles são responsáveis por 49,4% das matrículas de graduação no Instituto Federal, com 3.745 no total, além de 50,3% dos ingressantes (1.486) e 53,2% das vagas.

Os cursos superiores de tecnologia são oferecidos em 13 câmpus do IFSC, com duração média de seis semestres (três anos). Eles passam por avaliação de reconhecimento pelo Inep e também têm sua qualidade analisada por instrumentos como o Índice Geral de Cursos (IGC). Nas avaliações mais recentes, todos ficaram entre as notas mais altas (4 ou 5).

O Câmpus Urupema vai abrir vagas para os cursos superiores de tecnologia em Alimentos e em Viticultura e Enologia pelo Sisu (40 vagas em cada curso). 

Confira a lista de cursos superiores de tecnologia do IFSC no Guia de Cursos.

Seleção pelo Sisu

O processo seletivo para ingresso em cursos de graduação do IFSC – bacharelado, licenciatura e superior de tecnologia – é feito pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que usa a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) do ano anterior. De 22 a 25 de janeiro, candidatos que fizeram o Enem em 2018 podem concorrer a uma das 1.884 vagas em cursos de graduação do IFSC.

Saiba mais na notícia sobre o processo seletivo publicada no Portal do IFSC.

Por Felipe Silva | Jornalista do IFSC
 

Docentes e horários de atividades

Para visualizar PDF você precisa do Adobe Reader: Clique aqui para baixar.